As Nervuras de Travamento nas Lajes Treliçadas.
 
 

As nervuras de travamento são nervuras transversais às vigotas treliçadas, e devem ser feitas nas lajes nervuradas, ou lajes treliçadas unidirecionais, sempre que estas ultrapassarem 4,00m de vão teórico. Têm a função de dar estabilidade lateral às vigotas, travando o painel da laje e aumentando assim a rigidez do conjunto, reduzindo vibrações e deformações na laje. Também são indicadas para distribuir eventuais cargas concentradas sobre a laje.

As nervuras de travamento devem ser executadas espaçando-se as lajotas, respeitando-se a sua largura e posição definidas no projeto estrutural ou projeto de montagem da laje. A armadura a ser colocada nessas nervuras é de fundamental importância, e também deve seguir as especificações de projeto. As linhas de escora podem servir de fôrma para as nervuras, as quais se formarão após a concretagem da laje.

Para termos uma idéia real da importância das nervuras transversais, e do que acontece no conjunto estrutural da laje, fiz uma simulação utilizando o método de grelhas. Com isso, podemos comparar as diferenças entre os deslocamentos de uma laje sem nervuras de travamento e outra com 2 nervuras.

Para este exemplo, foi considerado um vão de 6.00m x 6.00m, com uma carga de 100 kg / m² de revestimento e uma carga acidental de 150 kg / m². A laje utilizada foi uma LT20 (16+4), com enchimento em EPS, intereixo de 49cm e concreto C25.

Os diagramas de deslocamentos obtidos foram os seguintes:

Verificou-se que os deslocamentos máximos obtidos foram praticamente iguais (da ordem de 1.9cm), mas conforme nos aproximamos dos apoios, temos uma grande redução nas flechas na laje com nervuras, se comparada à laje sem nervuras. Além disso, para este caso específico, tivemos uma redução de quase 15% na armadura das nervuras principais se levarmos em conta a contribuição de nervura transversal.

Para finalizar, devo lembrar que esse foi apenas um exemplo, utilizado a fim de exemplificar que as nervuras de travamento implicam em alterações na distribuição de cargas e deformações nas lajes. Essas diferenças na armadura e flechas dependem de diversos fatores, como por exemplo, as cargas consideradas, a rigidez dos apoios, a quantidade e dimensão das nervuras, a relação entre os vãos, os intereixos, etc.

Bom dia e bom trabalho a todos.

Engº Civil Otávio Araújo
Engetreli Engenharia
Armação Treliçada Puma